Jogos de pôquer

Agência Pará
Agência Pará
pa.gov.br
Ferramenta de pesquisa
ÁREA DE GOVERNO
TAGS
REGIÕES
CONTEÚDO
PERÍODO
De
A
COMUNICAÇÃO

Alunos de escolas estaduais se destacam em processos seletivos

Localidade: Diversas localidades
14/02/2018 15h39
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos, surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Anderson Castro (foto), pai de Pedro, sonha em concluir a universidade de Engenharia Elétrica e, hoje, se realiza através do filho FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro (foto). Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Alexandra Castro (foto), mãe de Pedro, chora ao lembrar de alguns momentos difíceis pelos quais passaram até ver o filho com o futuro encaminhado. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Alexandra Castro (foto), mãe de Pedro, chora ao lembrar de alguns momentos difíceis pelos quais passaram até ver o filho com o futuro encaminhado. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro (foto). Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro (foto). Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Anderson Castro (foto), pai de Pedro, sonha em concluir a universidade de Engenharia Elétrica e, hoje, se realiza através do filho FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Anderson Castro (foto), pai de Pedro, sonha em concluir a universidade de Engenharia Elétrica e, hoje, se realiza através do filho FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos, surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos, surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro (foto). Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro (foto). Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ   |   Download
">
Durante o recital de boas vindas da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, ela chamava atenção pela desenvoltura. Pequena e de aparência frágil, Raíza Rocha, 23 anos (foto), surpreendeu ao escolher o saxofone mais pesado e complexo de tocar. O teste para a orquestra da UFPA foi só mais um desafio, entre os muitos que a jovem moradora da ilha de Mosqueiro, de onde vem de segunda a sábado para cursar as aulas de música, tem que enfrentar diariamente. FOTO: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: IGOR BRANDÃO / AG. PARÁ
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Alexandra Castro (foto), mãe de Pedro, chora ao lembrar de alguns momentos difíceis pelos quais passaram até ver o filho com o futuro encaminhado. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. Alexandra Castro (foto), mãe de Pedro, chora ao lembrar de alguns momentos difíceis pelos quais passaram até ver o filho com o futuro encaminhado. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ <div class='credito_fotos' id=Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará   |   Download
">
Se passar em uma universidade pública, competindo com jovens que estudam em escolas particulares e têm o reforço dos cursinhos preparatórios, já é difícil, imagine passar em três processos seletivos diferentes em universidades públicas. Essa foi a proeza de Pedro Castro. Com apenas 17 anos, ele passou em Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), em Biomedicina na Universidade Federal do Pará, e em Engenharia Biomédica, também na UFPA, curso este pelo qual optou. FOTO: SIDNEY OLIVEIRA / AG. PARÁ DATA: 14.02.2018 BELÉM - PARÁ
Foto: Sidney Oliveira/Ag. Pará
mais galerias de fotos
Jogos de pôquer Mapa do site