jogatina

Agência Pará
Agência Pará
pa.gov.br
Ferramenta de pesquisa
ÁREA DE GOVERNO
TAGS
REGIÕES
CONTEÚDO
PERÍODO
De
A
SAÚDE

Sociedade contribui com a doação voluntária de sangue no Hemopa

Por Redação - Agência PA (SECOM)
18/04/2015 18h15

Vários grupos da sociedade civil organizada deram sua contribuição à doação voluntária de sangue neste sábado (18), na Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa). Destaque para os integrantes de clubes de motociclistas do Pará, mobilizados pelo Pará Moto Clube e os funcionários da empresa Dínamo. Juntos, eles ajudaram a compor um movimento de 301 comparecimentos, com a coleta de 229 bolsas de sangue, na sede do hemocentro e na Estação de Coleta Hemopa Castanheira. As doações darão suporte à atividade transfusional durante o feriado de Tiradentes e ao estoque de sangue do Hemopa, que sofre baixa de 50%.

Antigo parceiro da Fundação Hemopa, o Pará Moto Clube (PMC) conta com 40 integrantes e estimula a doação de sangue por meio da ação Motociclista Sangue Bom, que normalmente é realizada no mês de novembro, mas foi adiantada em virtude das poucas doações. A mobilização também foi feita junto aos motoclubes Semeadores da Amazônia, Malas do Asfalto, Feras do Asfalto, Tebanos, Medievais da Amazônia e Araras de Aço.

Danilo Lima, 39, presidente do PMC há dois anos, é doador de sangue tipo A Positivo há alguns anos e efetivou sua oitava doação. “Fizemos contato com os demais grupos e todos atenderam imediatamente enviando participantes. A importância é grande. Temos consciência de que a doação de sangue salva vidas, por isso ajudamos”, afirma Danilo Lima, que também é cadastarado como doador de medula óssea.

A comerciante do bairro de Canudos, Ivanete Alves de Araújo, 46, fez parte do voluntariado que atendeu ao apelo do PMC. Ela é presidente do Feras do Asfalto, motoclube que reúne apenas mulheres e fez sua quinta doação. Do tipo sanguíneo O Positivo, ela é doadora há mais de dois anos. “É gratificante e não tem preço. Fico realmente muito emocionada. É muito bom fazer o bem”, declara a motociclista.

Desde a primeira edição, as ações realizadas pela Dínamo, empresa de instalações e manutenções elétricas, já contabilizaram mais de 200 doações. Esta é a primeira campanha de 2015 e integra o cronograma de responsabilidade social e qualidade de vida da Dínamo.

Há seis meses em Belém, o técnico em Segurança do Trabalho da empresa, o baiano Jorge dos Santos Franco, 26, doa sangue há mais de cinco anos. “A importância deste ato está em ajudarmos aquele que não estamos vendo. Muitos só agem quando conhecem alguém que precisa, mas não sabemos quando isso vai acontecer. Vi várias reportagens e muitas pessoas precisam”, opina o voluntário.

O eletricista da Dínamo, Marcílio Almeida Costa, 32, é doador há 15 anos. De uma família de doadores voluntários, ele iniciou na doação de sangue para ajudar um vizinho que estava hospitalizado. “Ajudar o próximo é um gesto de amor. Saber que vou ajudar a salvar vidas é uma das coisas mais importantes”, assegura o jovem.

Para a assistente da Gerência de Captação de Doadores (Gecad) do Hemopa, Aparecida Salgado, a organização da sociedade civil é de fundamental importância para a causa da doação voluntária de sangue. “Destacamos o papel de cada um desses grupos na mobilização, sensibilização e orientação de voluntário, que muito tem contribuído com a missão institucional da Fundação Hemopa. É uma via de mão dupla, a sociedade comparece para doar e o hemocentro devolve um produto de qualidade para quem precisa”, informa a servidora.

Integrantes do grupo Terço dos Homens da Paróquia São Geraldo Magela, do bairro Distrito Industrial, em Ananindeua, os amigos do grupo Doador de Vidas, os voluntários do Instituto Áster e os torcedores do Corinthians, pela campanha Sangue Corithiano, que encerra hoje, também compareceram à sede do Hemopa e contribuíram com a doação voluntária de sangue.

Pode doar sangue qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e pese acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original e com foto e deve estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três. Adolescentes de 16 e 17 anos só podem doar com a autorização dos pais ou de um representante legal.

Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.

Serviço:
A Fundação Hemopa fica na Trav. Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, no acesso ao Castanheira Shopping, no Km 1 da BR-316, e funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Mais informações pelo Alô Hemopa: 0800 280-8118.

<
jogatina Mapa do site